Hospital Dona Helena abre escritório de inovação

Novo gestor assume desafio de implementar modelo de gestão da inovação em saúde

Às vésperas do aniversário de Joinville (SC), em 9 de março, o Hospital Dona Helena, uma das principais instituições de saúde do Sul do país, anunciou, nesta semana, a abertura de seu escritório de inovação, que será instalado no complexo Ágora Tech Park. As operações da nova unidade se iniciam entre abril e maio.

Com experiência de 14 anos na área da saúde, e formações em Tecnologia e Gestão Empresarial, Chander João Turcatti assume a gestão do projeto, na posição de coordenador de inovação do hospital. O profissional atuava em um dos principais hospitais privados de Porto Alegre, liderando o desenvolvimento, planejamento, monitoramento e execução das atividades de compartilhamento de conhecimentos relacionados aos contextos assistenciais e administrativos, com impactos no aumento da eficácia e eficiência dos serviços.

No Dona Helena, seu desafio será o de implementar um novo modelo de gestão da inovação. O hospital catarinense está abrindo escritório de inovação junto ao Ágora Tech Park, ao lado de outras instituições de saúde. Nesta entrevista, Turcatti revela os cinco eixos de atuação da nova unidade, que pretende ser um elo dos hospitais catarinenses de pequeno e médio porte que não tenham suas próprias áreas de inovação, com foco em objetivos comuns que tragam reflexos positivos para o paciente, de modo geral.

Como vai funcionar o escritório de inovação do Hospital Dona Helena?
Teremos dois ambientes: um deles dentro do hospital e uma área instalada dentro do complexo Ágora Tech Park, fortalecendo o movimento que já existe ali. Atuam no complexo outras organizações da área da saúde, ao passo que o Dona Helena entra como hospital geral, de forma pioneira e desbravadora. Estamos construindo um centro de inovação que respeite os 105 anos do hospital, mas não perca o timing da inovação ofertada pelo mercado e de nossas iniciativas de protagonismo em saúde de alta complexidade. O Dona Helena faz um movimento totalmente diferente do que se verifica em todos os outros hospitais. A partir do momento em que uma instituição de saúde sai dos seus muros para inovar, esse é o primeiro movimento claro – você entra, concretamente, no ambiente tech. Esse movimento já demonstra o que o hospital pensa da inovação e o que quer entregar para a sociedade, a comunidade, o ecossistema de saúde de Santa Catarina e do Brasil. Esse é um diferencial. Nossas iniciativas de inovação estarão balizadas pelos critérios de impacto assistencial, aderência à estratégia da instituição, ciência avançada e impacto social. Desdobrados esses critérios, criamos os eixos de atuação. O primeiro está vinculado ao protagonismo, ou seja, atuaremos na alta complexidade da instituição e nas demandas do mercado para ações em saúde utilizando práticas de Inteligência Artificial e nanotecnologia para tratamentos e prevenção. Já no eixo mais tradicional da inovação, contaremos muito com os profissionais da nossa instituição, pois atuaremos nas áreas assistenciais e administrativas do Hospital Dona Helena para fomentar a inovação interna, empoderando nossos colegas de trabalho e gerando ainda mais valor para o nosso cliente. Outro eixo de atuação será a Incubadora Dona Helena, que, por meio de nossas qualificações e conhecimentos, deverá se tornar um centro de inovação aberta para startups e parceiros, para desenvolver e validar ideias e soluções, fomentando o ecossistema regional e até nacional de inovação em saúde. Há, também, o eixo do programa de apoiadores, os quais serão instituições de tecnologia e de outros segmentos que queiram utilizar a estrutura do Dona Helena para a realizar POCs (Prova de Conceito) e MVPs)(produtivo viável mínimo) de suas startups. Nesse eixo, estamos construindo iniciativas com empresas de cloud, SAAS, IA, machine learning, indústria farmacêutica, desenvolvimento de software, hardware, arquitetura e engenharia, telecomunicações, monitorização e relacionamento com o paciente. E no quinto eixo, denominado como Saúde Parceira, atuaremos junto à comunidade assistencial de Santa Catarina, recebendo demandas e fomentando a inovação junto a hospitais de pequeno e médio porte, públicos ou privados, sem custos para essas instituições. Dessa forma, atingiremos em maior escala a população em catarinense. Ou seja, todos ganham.

Você vai atuar, fisicamente, dentro do hospital ou no Ágora?
Nossa equipe estará nos dois ambientes. Estamos desenvolvendo o layout do escritório no Ágora, que será uma sala multiuso bastante versátil para que possamos fazer diversos ensaios. O objetivo é a cocriação, basicamente. Mas não nos limitaremos ao físico.

Como você avalia o atual momento do setor hospitalar no Brasil, no que diz respeito à inovação?   

Até há não muito tempo, a inovação hospitalar estava vinculada a robótica, equipamentos médicos de ponta e entregas de soluções de automação de processos. As instituições estão buscando cada vez mais eficiência, eficácia, valor agregado e melhores desfechos clínicos, e isso faz com que qualquer tipo de tendência emergente do protagonismo, personalização e foco no paciente se tornem inovação. Sob essa ótica, a inovação hospitalar une o útil ao agradável, ou seja, competitividade de mercado, fidelização dos clientes com atendimentos eficientes. Atualmente, há muita informação, talvez não tão bem estruturada, mas observo que estamos nos preparando com modelos de algoritmos que poderão prever doenças crônicas não transmissíveis e doenças mentais com tal antecedência que a atual medicina da prevenção ficará muito no passado.

Que impacto esse processo de inovação vai trazer para o paciente e para o funcionário em um horizonte de cinco anos?
O que observo de mais concreto é que toda e qualquer inovação estará sempre ligada ao aumento da oferta e/ou redução de custos, na qualificação de pessoas e processos com o paciente no centro de tudo. Ainda sob uma ótica de empoderamento, o paciente estará cada vez mais participando da sua jornada hospitalar, seja desde a escolha da sua refeição, à melhor prática médica baseada em metaverso, por exemplo. Será possível prever patologias com meses de antecedência, ou até mesmo minutos antes, atuando de forma a dar uma qualidade e expectativa de vida melhor ao paciente. No Dona Helena, estamos com duas iniciativas que, uma vez concluídas, poderão prever intercorrências de algumas patologias com minutos de antecedência. Ainda há patologias que um percentual considerável da população não está sendo atendida ou é desconhecida e que poderiam ter outras opções de atendimento. A inovação vai alcançá-las e, nesse viés, nossas equipes deverão estar preparadas. Os impactos serão exponenciais. Algumas iniciativas não assistenciais que deverão ser mais aprofundadas nos próximos anos são as vinculadas a jornadas inteligentes do paciente, hospitais inteligentes e as que terão um viés de sustentabilidade ambiental. O funcionário, empoderado de informações, processos inteligentes, práticas assistenciais e de segurança do paciente, irá para uma outra esfera das cadeias assistencial e de atendimento, o “penso”. Quanto à nossa instituição, estamos prontos para este horizonte e com um posicionamento de mercado muito forte, no qual nossa inovação vai indicar protagonismo, participação do paciente e do nosso colaborador, apoiando a comunidade assistencial catarinense pública e privada.

 

World Trade Center inaugura sede e anuncia futuro centro empresarial em SC

Com o propósito de colaborar para a internacionalização de empresas catarinenses, o World Trade Center (WTC) Curitiba, Joinville e Porto Alegre amplia atuação no Estado. Inaugurou, neste mês, nova sede própria em SC no Ágora Tech Park, em Joinville, quando também anunciou que vai construir próximo do Perini Business Park um icônico centro empresarial, seguindo o padrão de construções verticais da entidade no mundo. As informações são da presidente do WTC Curitiba, Joinville e Porto Alegre, Daniella Abreu, que recebeu no evento o presidente da Airbus Brasil, Gilberto Peralta, para palestra sobre internacionalização de empresas.

Conforme Daniella Abreu, o WTC está interessado em fortalecer a presença na região Sul do Brasil e esse empreendimento imobiliário em Joinville, que sediará a instituição no futuro, será importante para isso. O terreno já foi adquirido, mas como o projeto do centro empresarial está em elaboração, a entidade preferiu não antecipar detalhes sobre o investimento, que prevê ficar pronto em dois anos. Segundo ela, Curitiba e Porto Alegre também vão ganhar torres empresariais, projetos do braço de real state da associação.

O desafio principal do WTC, que atua há mais de 50 anos no mundo, é aproximar empresários de diversos países para a realização de negócios, internacionalização de empresas e atração de investimentos do exterior. Também precisa cobrar melhor ambiente de negócios. Foram esses os temas abordados pelo executivo da Airbus Brasil, Gilberto Peralta, ex-presidente da GE no país. Para ele, um dos maiores obstáculos para ter negócio no Brasil é a estrutura tributária, com interferências burocráticas de cartórios.

“O Brasil não aproveita seu tamanho para fazer uso das instituições internacionais, como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE, da qual ainda não fazemos parte. Temos que nos relacionar melhor com o mundo, com a ONU e com as principais organizações. E esse caminho tem que ser ampliado sempre, não pode retroceder”, disse Peralta.

À frente do WTC desde o ano passado, Daniella Abreu, que além de diretora executiva do Sapiens Parque, de Florianópolis, atuou como engenheira civil em multinacional do Reino Unido, tem dado atenção especial para a internacionalização de negócios, incluindo atração de investimentos. Segundo ela, atualmente duas empresas do exterior estão em contato com o WTC para instalar unidades no Estado. Uma é do Canadá e outra de Portugal.

A escolha de Joinville, ainda anos atrás, para sediar o WTC em Santa Catarina ocorreu pelo fato de ser o maior centro econômico do Estado e um dos municípios brasileiros com maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Pós-Graduação e Inovação na UDESC: Novos Paradigmas e Integração com o Setor Produtivo

No próximo dia 16 de fevereiro a UDESC Joinville irá realizar um evento gratuito sobre a Pós-Graduação e Inovação na UDESC dentro do Perini Business Park.
A iniciativa é aproximar a Universidade das indústrias da região para fortalecer o desenvolvimento regional. O Perini Business Park reúne num único espaço um conglomerado de empresas, a Universidade UFSC e o Centro de Inovação Ágora Tech Park que tem como um de seus objetivos fortalecer a relação das Universidades com o setor produtivo.
O evento organizado pela UDESC apresentará à comunidade empresarial a importância da capacitação e formação dos colaboradores para fortalecer a P&D&I da empresa.
Apresentarão o seminário a Diretora de Pesquisa e Pós-Graduação da UDESC, Dra. Mariana Cavalca e a coordenadora de inovação da UDESC Joinville, Francine Kasulke. Além das linhas de pesquisa e dos programas de Pós-Graduação serão apresentadas as possibilidades de interação da UDESC com as indústrias da região e como a universidade têm fortalecido a dinâmica para a promoção da inovação.
Em Joinville os cursos de Pós-Graduação gratuitos são o de Doutorado em Ciência e Engenharia de Materiais e Doutorado em Engenharia Elétrica, e outros 10 cursos de Mestrado são nas áreas de Computação Aplicada, Física, Matemática, Química Aplicada, e os Mestrados em Engenharia de Materiais, Civil, Elétrica e Mecânica.
O evento da UDESC será realizado no dia 16 de fevereiro a partir das 17h30 no Auditório do Ágora HUB no Perini Business Park.
Os interessados no evento gratuito deverão efetivar sua inscrição no link: https://forms.office.com/r/L1z2c5VfU4
Mais informações sobre o evento no e-mail: francine.kasulke@udesc.br

Com expansão e conexões com ecossistema, operações no Ágora Tech Park crescem 147% em 2021

[JOINVILLE, 19.01.2022]

Redação SC Inova, scinova@scinova.com.br 

 

O Ágora Tech Park, parque tecnológico localizado no Perini Business Park, em Joinville (SC), inicia 2022 com 94 operações – um crescimento de 147,3% frente a janeiro do ano passado, quando haviam 38 empresas e instituições instaladas. A expansão foi puxada pelos novos prédios inaugurados em março passado, quando o Ágora completou dois anos de atividade no ecossistema de inovação do Norte catarinense.

 

Um dos prédios que iniciaram as operações em 2021, o Ágora MOB, conta com 27 empresas, em um mix de serviços que vão de operações gastronômicas, startups, desenvolvedoras de hardware e negócios consolidados que investiram em espaços e laboratórios de inovação, como Avell, Rogga Empreendimentos, Sanhkya e Transfeera,  entre outras. No ano passado, também foram inaugurados ambientes de tecnologia para saúde, como a farmácia inteligente do grupo Clamed e a Smart Clinic oftalmológica mantida pelo Grupo Opty e o Hospital Sadalla Amin Ghanem – outra instituição da cidade, o Hospital Dona Helena, terá um escritório de inovação no Ágora.

 

O primeiro prédio, Ágora Hub, faz parte da Rede Catarinense de Centros de Inovação e   concentra entidades como ACATE, FIESC, Sebrae, Joinvalle, além da incubadora Softville Ágora, o coworking Ágora Share e empresas do setor de serviços e tecnologia. Ao todo, são 32 operações – com ocupação total. A perspectiva é que seja anunciado ainda em 2022 o projeto de um novo prédio para o complexo tecnológico – no roadmap estão previstos oito prédios em funcionamento nos próximos seis anos. 

 

“O Ágora foi concebido com o propósito de ser um agregador, um conector do ecossistema de tecnologia e inovação da região. Em menos de três anos, agregamos quase 100 operações distintas e complementares que geram oportunidades para um crescimento exponencial de novos negócios: de entidades fortes à universidade federal, empresas estabelecidas e laboratórios de inovação. Estamos consolidando um modelo de cocriação que ainda está no começo da jornada”, avalia Marcelo Hack, CEO do Grupo Perini na América Latina, que administra o parque tecnológico.

 

Também iniciou as operações em 2021 o Ágora DAT, investimento privado de cerca de US$ 10 milhões da Armazém Cloud, que resultou no mais moderno datacenter do Sul do país – e o primeiro a obter certificações TIER III em design e facility, com centro de monitoramento de ciberataques em tempo real. 

 

Mesmo com as limitações impostas pela pandemia, o Ágora manteve uma média de 600 pessoas circulando diariamente e 20 eventos por mês no último trimestre de 2021: corporativos, de comunidades empreendedoras e do ecossistema, como o Encontro da Rede Catarinense de Centros de Inovação e a primeira edição do Summit Cidades, voltado ao desenvolvimento de smart cities e que marcou a inauguração do projeto Smart Street, uma trecho de 400 metros da avenida Fabio Perini, que corta os prédios do Ágora e que está conectada por dispositivos eletrônicos (processadores, sensores, câmeras), plataformas de data analytics, além de uma infraestrutura de transmissão e armazenamento de dados. Em 2022, o projeto deve ganhar novas aplicações ao longo do ano, em parceria com desenvolvedores locais e parceiros externos.

 

“À medida que o parque se expande e atrai novas empresas e iniciativas, vamos construindo um espaço experimental de tecnologia para as cidades, em um ambiente controlado e inédito na região”, explica Emerson Edel, presidente do Instituto Ágora. 

 

PARCERIA COM UNIVERSIDADES E ESPAÇO DE APRENDIZADO 

 

Entre as prioridades do parque em 2022 está o fortalecimento da conexão com as universidades locais. O campus Joinville da UFSC é uma das instituições fundadoras do Ágora Tech Park, localizada ao lado dos demais três prédios, mas serão formalizadas parcerias com outras entidades de ensino, como a Univille/Inovaparq, UDESC e Católica. Em fevereiro, será lançado um programa de imersão e desenvolvimento para professores universitários interessados em atuar em conjunto com o setor de tecnologia e inovação.  

 

Mas há perspectiva de expandir a conexão acadêmica com outras regiões de Santa Catarina, como o termo de cooperação entre Ágora e Pollen Parque Tecnológico, de Chapecó, assinado em outubro passado e que representou uma conexão entre os ecossistemas de inovação do Norte e do Oeste catarinense.

 

Dentro da estratégia de ser um hub de criação e desenvolvimento do empreendedorismo, outra novidade é a inauguração (ainda no primeiro trimestre de 2022) de um laboratório maker em nível industrial, o FabLab Ágora, que contará com ferramentas de robismo e de prototipagem 3D.

 

“Esse crescimento ao longo do ano se deu pela capilaridade e a força das conexões que se criam no ambiente do parque. O próximo passo, em paralelo à expansão das operações e da atração de empresas e projetos de inovação, é trabalhar também a conexão da sociedade e das universidades com o ambiente de tecnologia”, antecipa Ricardo Fantinelli, coordenador de Inovação do Ágora. O parque também sediará encontro das comunidades de artesãos da cidade, de maneira a se consolidar também como espaço de economia criativa. 

 

CRESCIMENTO OPERAÇÕES ÁGORA TECH PARK:

 

JANEIRO 2021 JANEIRO 2022
Ágora Hub – 28

Ágora Share (coworking) – 8

UFSC – 1

ContaAzul – 1

TOTAL: 38 operações

Ágora Hub – 32

Ágora Mob – 27

Ágora Share – 19

Softville Ágora – 12 

Ágora DAT – 1

UFSC – 1

ContaAzul – 1 

FabLab Joinville – 1

TOTAL: 94 operações

 

Parque tecnológico de Joinville amplia operação durante a pandemia

O Ágora Tech Park foi  matéria  neste Domingo no Tech SC, o portal de tecnologia da NSC.

As gravações realizadas no Perini Business Park e no Ágora Tech Park, que intitulam o programa: “Parque tecnológico de Joinville amplia operação durante a pandemia”, você confere no link abaixo:

Link:
https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/playlist/videos-tech-sc.ghtml

1º Inove Mulher

Confira como foi o 1º i.no.ve Mulher, um evento do Grupo Perini para movimentar figuras femininas no nosso ecossistema e no mundo do empreendedorismo.
Foi uma manhã extraordinária, de muita energia, aprendizados e inspiração.
Uma honra encher o auditório do Ágora Tech Park com profissionais incríveis, nosso agradecimento a todas que participaram, em especial a Cleide Konz e Adriane Nowacki (Salsaria.joinville) pelo apoio nesse evento extraordinário.

Vídeo Maker: @rebeccamoura.s
Fotografia: @annefotografia2021

#mulheresempreendedoras #inovação #talkshow #networking #inovemulher #InspirePerini #conectarparainovar

Conheça os 12 projetos da região que fazem parte do Programa Nascer

O Programa Nascer de Pré-Incubação de Ideias Inovadoras é uma parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/SC) que visa estimular o empreendedorismo inovador – um dos fatores mais importantes para o crescimento econômico, e em Joinville acontece aqui no Ágora, pela iniciativa Ágora.Start.

O objetivo do programa é dar suporte para que pessoas com ideias inovadoras passem por um período de pré-incubação e desenvolvam um Plano de Negócios estruturado para iniciar sua startup.

Saiba mais sobre cada ideia:

Raquete Digital
Raquete digital para análise da mastite bovina.

Daleponto
O Daleponto é um sistema de controle de ponto online para empresas brasileiras. O sistema é ideal para empresas que desejam que os funcionários possam ter o controle de sua jornada de trabalho, banco de horas ou horas extras – de maneira flexível e descomplicada para todas as partes. Buscando atingir empresas em que há a necessidade legal de controlar a jornada de trabalho de seus colaboradores (conforme artigo 74 da CLT), o Daleponto permite que os funcionários efetuem a inclusão do registro de ponto por aplicativo Android, iOS ou via web no navegador em seus computadores e celulares, e também a visualização de relatórios para funcionários e gestores. Para o gestor, também é possível cadastrar turnos de trabalho, abonos, feriados e muito mais.

Plugin: a plataforma do mundo gamer
Plataforma com a finalidade de gerar oportunidades e profissionalizar o cenário de e-sports no Brasil.

FC Vida Funcional (Studio Treinamento Funcional em Coworkings)
FC Vida Funcional, possibilitará aos coworkings de todo Brasil , propocionar saude fisica e mental aos seus coworkes e visitantes de maneira presencial e a distancia conforme o metodo FC , criado por Flavio Conseiçao Personal Trainer.

Nanopartícula Multifuncional
“Este projeto tem como objetivo oferecer ao mercado um novo insumo químico. Trata-se de uma nanopartícula passível de modificação química, tornando-se uma plataforma tecnológica multifuncional. Esta nanopartícula pode oferecer efeito bactericidas, pode agir como sensor de envelhecimento, indicadores de acidez dentre outras. Estas nanopartículas multifuncionais tem aplicação em diferentes setores, destacando-se a: (i) área da saúde – ao incorporar nanopartículas com função bactericida em materiais que necessitam apresentar efeito bacteriostático por contato; (ii) área de alimentos – ao ancorar nanopartículas bactericidas em materiais poliméricos de recobrimento de alimentos visando aumentar seu prazo de validade ou visando inibir difusão de gases que afetam a longevidade do alimento. Devido a versatilidade química da nanopartícula, poderá ter aplicação customizada à diferentes setores industriais.
A tecnologia desenvolvida atenderá de imediato indústrias do setor da saúde e alimentos, que por sua vez, poderão oferecer produtos diferenciados aos seus consumidores finais. Do ponto de vista social, a tecnologia possibilitará oferecer produtos com biofuncionalidades incorporadas, aumentando – por exemplo, a biossegurança ao utilizar produtos que contenham as nanopartículas. O novo insumo trará benefício quanto ao aumento do prazo de validade de alimentos, minimizando perdas.

Canoa.Space
A proposta é que a inovação seja um marketplace voltado para negócios de impacto (sendo eles negócios que impactem com os seus produtos, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável elencados pela ONU). Busca-se criar uma plataforma que concentre um ecossistema de colaboração entre lojistas para que o desenvolvimento de negócios conscientes seja cada vez mais fomentado, aumentando também, o consumo consciente.

Link Code
Interface de informações com acesso em tempo real na indústria 4.0

Van
Aplicativo para motoristas de Van.

Bicicleta 3D Sustentável
O projeto consiste em uma bicicleta sustentável, construída com bambu e peças impressas em 3d, permitindo a fabricação de um quadro do tamanho ideal para o ciclista. É a união de mobilidade, ergonomia e sustentabilidade.

O Engraxate
O Engraxate é o projeto que visa revitalizar a profissão, trazendo o conforto, comodidade e praticidade ao mesmo tempo que mantem a tradição milenar do “Engraxatar”. Sem perder estas raízes, nossa missão é agregar valor ao próximo passo dos nossos clientes “ensapatados” com exclusividade, qualidade e sustentabilidade. Um sapato bem cuidado pode durar mais de 50 anos, menos um no meio ambiente e mais uma história pra contar. O Engraxate é o projeto do futuro que funciona no presente trazendo as tradições do passado!

Metrick Sports – Hardwares/Wearables para Futebol
A Metrik Sports é um projeto voltado para a melhora do desempenho de atletas de futebol por meio da análise de dados desses em campo e treinamentos

Plataforma de Rentabilidade para Condomínios.
A plataforma ajuda os condomínios a rentabilizar seu caixa.

TERMICA lança solução digital inovadora com uso de IA

Por TERMICA Solutions*

A TERMICA Solutions, empresa associada a ABII, lança uma solução digital inovadora para análises metalográficas, em que seu grande diferencial é a possibilidade de realizar todas as análises de ferro fundido nodular, cinzento e de ferro vermicular, com o apoio da inteligência artificial (IA).

A solução, denominada DMM (Digitalização de Microscopia Metalográfica), utiliza algoritmos de última geração para digitalizar e automatizar leituras, realizando análises que antes só podiam ser feitas por humanos, com cálculos, deduções ou interpretações.

Desta maneira elimina-se a necessidade de por exemplo, tabular, calcular e interpretar dados de forma manual, excluindo a possibilidade de erro de digitalização e entrada de dados incorretos.

O DMM foi desenvolvido para analistas realizarem análises simples e complexas como volume de grafita, volume de matriz, grau de nodularização, nódulos por mm2, tamanho de grafita, tipo de grafita, vermicularidade, classificação de células eutéticas e classificação de grafitas lamelares.

O sistema de captura digital é integrado ao software e possibilita a realização de análises qualitativas e quantitativas e a emissão automática de relatórios, permitindo que a metalografia aconteça de forma fluida, simples, eficiente e eficaz.

Ganhando assertividade, tempo e padronização na realização das análises metalográficas

Entre os grandes diferenciais do DMM, está a possibilidade da geração de relatórios com apenas um clique, em que o analista gerará automaticamente relatórios em PDF, sem copiar e colar nada manualmente.

Contando com uma interface simples e intuitiva, o analista obtém de forma automatizada resultados de todas as análises disponíveis em questão de segundos.

Comparando com os métodos atuais, ao migrar para a solução DMM, o analista terá redução de mais de 70% no tempo empregado na atividade de análise metalográfica. Além de ter aumento no controle, padronização e rastreabilidade do processo, facilitando o cumprimento das normas e atendimento as auditorias.

Análises para outras ligas

E a TERMICA não quer parar por aqui. A expectativa é de lançar o DMM para aço e alumínio no primeiro trimestre de 2022, prometendo trazer o mesmo grau de inovação e produtividade para as empresas que trabalham com estas ligas.

Integração nativa entre soluções para o laboratório metalúrgico

A solução DMM faz parte de uma plataforma digital denominada Digimet, a qual possibilita de forma integrada a digitalização desde o tratamento térmico, até as análises metalográficas e de durezas, contextualizando os resultados e alavancando a eficiência dos processos.  Por meio de conceitos de vanguarda em engenharias de Processo, Computação, Automação, Produção e Materiais, a TERMICA Solutions entrega altíssimo valor para o seu negócio.

Sobre a TERMICA Solutions

A TERMICA Solutions é uma INDTECH, uma spin-off corporativa da PERFIL Group, fundada em Joinville, Santa Catarina. Conta com uma equipe multidisciplinar, integrada por profissionais com mais de 25 anos de experiência, focada em equipamentos e na digitalização de processos térmicos industriais.

Desenvolve, implanta e integra softwares e hardwares para a digitalização de equipamentos e processos industriais, tornando-os 4.0, de tal forma que possam interagir com pessoas e outras máquinas inteligentes melhorando a eficiência e eficácia destes processos.

A TERMICA ajuda empresas a economizar, contribuindo para a sustentabilidade, reduzindo as perdas térmicas. Além disso produz soluções focadas em produtividade, agilidade e controle de qualidade, com garantia de resultado, facilidade de utilização e interfaces intuitivas. Na plataforma Digimet é possível conhecer todas as soluções.

*Este conteúdo foi produzido pela TERMICA Solutions, associada da ABII, e expressa a opinião da empresa sobre os temas abordados. A ABII oferece espaço para todas as empresas associados publicarem conteúdos relacionados a novas tecnologias, produtos inovadores, indústria 4.0, IIoT e transformação digital

Clamed inaugura farmácia do futuro em Joinville

A Clamed, empresa do varejo farmacêutico sediada em Joinville, com mais de 550 farmácias no Brasil, lança sua farmácia-conceito. Um hub de saúde integrado, que traz novas tecnologias, novos serviços farmacêuticos e para compra de medicamentos, colocando o consumidor no centro do negócio, de modo a proporcionar uma experiência interativa, que o inspire a cuidar da sua saúde.

O Clamed Health Center faz parte de um centro de inovação em saúde, localizado no parque tecnológico Ágora Tech Park, em Joinville.

O espaço é um laboratório, com ambiente totalmente projetado em um conceito inovador, onde serão testadas novas formas de atendimento. A farmácia-conceito conta com caixas de autoatendimento, locker para entrega de encomendas, tablets que oferecem interação e informações sobre os produtos, holografias de gôndolas, assistente virtual, sala de telessaúde e outras novidades.

“A ideia de um Health Center é ser muito mais que uma farmácia, é ser um espaço de cuidado com a saúde dos nossos clientes nos diversos âmbitos da sua jornada. Nosso desafio é ser uma solução completa para proporcionar saúde e bem-estar“, conta o diretor de inovação da Clamed, Andrey Bornschein.

Conceito comporta espaços dedicados à jornada do consumidor

A loja contempla diferentes ambientes de interação, a começar pela área Sinta e Experimente, onde o cliente tem à disposição várias tecnologias para auxiliar na sua compra. Um espaço para exploração e interatividade, com novas metodologias de atendimento e comando de voz, que integra o físico com o virtual, como uma habilidade específica com a colaboração da Alexa e um tablet que faz um onboarding da loja.

A área Converse é destinada a um atendimento mais humanizado, desmistificando o balcão padrão. Nesta seção o profissional farmacêutico dispõe de atenção e cuidados individuais aos clientes, oferece orientações e também esclarece dúvidas.

Já a área Cuide-se é um espaço integrado de soluções em saúde. Nela o cliente recebe serviços farmacêuticos, check-ups de saúde, teste laboratoriais rápidos e acesso a telessaúde, inicialmente destinada à saúde ocupacional.

“Aqui oferecemos aos clientes uma experiência unificada e de inovação focando em oportunizar uma melhor qualidade de vida para as pessoas e não apenas vender produtos”, reforça Andrey Bornschein.

O espaço foi formatado para ser um grande laboratório de testes, que possibilita conhecer e analisar o comportamento do consumidor no ambiente de compra.

“Projetamos o Clamed Health Center para podermos reescrever o conceito de farmácia na vida das pessoas. Aqui será testado um novo modelo de atendimento, uma solução completa de saúde e bem-estar para o consumidor”, finaliza Andrey Bornschein.

Joinville é a primeira cidade a receber o Leonora Ventures On The Road

A catarinense Leonora Ventures é uma corporate venture builder, de Palhoça, cujo objetivo é fomentar ideias inovadoras de educação e varejo e promover a aproximação entre organizações já consolidadas e startups.

Seguindo com esses objetivos, em outubro e novembro, irá acontecer o Leonora Ventures on the road.

Trata-se uma série de eventos presenciais nas principais cidades de Santa Catarina, com o intuito de criar conexões com os principais atores do ecossistema de inovação, investimento e empresas para discutir temas aderentes ao negócio da Leonora Ventures.

Em sua primeira edição, a ideia de promover o encontro surgiu a partir da temática da inovação e do senso de maturidade do assunto estar presente na agenda dos investidores e empresários, bem como da dificuldade que as empresas têm em identificar e levar adiante seus programas.

Ademais, enxerga-se a potencial chegada de novos investidores em startups, o que está alinhado com a missão da marca Leonora Ventures, que é pertencente ao grupo FCJ Venture Builder, o maior da América Latina e um dos maiores na Europa.

Previsto para acontecer em 29 de outubro em Joinville, o encontro terá apoio do Join.Valle, do Ágora Tech Park e da Ciser.

As inscrições podem ser feitas neste link.

Ana Debiazi, CEO da Leonora Ventures, afirma:

“O evento visa facilitar o entendimento das pessoas a respeito de investimentos e desfazer a ideia de que aportes são exclusividade de empresas de grande porte”.

“Queremos mostrar que é possível investir em startups, entrar no mundo da inovação e, com isso, colher bons frutos”.

Disponível em: https://www.noticenter.com.br/n.php?ID=28922&T=joinville-e-a-primeira-cidade-a-receber-o-leonora-ventures-on-the-road